sexta-feira, 29 de abril de 2011

Talking Heads


Sempre tive sede pelo diferente. Nos meados de 84, 85 quando ainda ia em brincadeiras dançantes e as músicas que chegavam eram com "séculos" de atraso e acabavam virando clássico de todas as noites, conheci o Talking Heads. A música era Psycho Killer (do album Talking Heads 77 !!!) Era aquele momento meio devagar, para ganhar folego para a próxima rodada.


As brincadeiras dançantes foram promovidas a boate e para "guiar" nosso gosto musical contávamos com a Discoteca do Chacrinha, Globo de Ouro e o mais revolucionário de todos, CLIP CLIP. Infelizmente não achei nada que prestasse sobre CLIP CLIP. Era um programa apresentado sábados a tarde e trazia os clipes que estavam fazendo sucesso lá fora. Veja bem, clip era um conceito novíssimo no Brasil. O mais perto que a gente chegava disso eram os musicais apresentados no Fantástico.

Foi no Clip Clip que vi aquele cara de terno claro, ombreiras imensas e cabelo curtérrimo, cantando com sutaque escocês, sério e dançando feito um doido. David Byrne. 

Tentei colocar Burn down the House aqui, mas não aceitou. Foi outra música marcante.

Não sabia quase nada de inglês. Não tinhamos acesso a letras, ou google tradutor. Íamos pelo ritmo e pronto.


Um comentário:

Cacau disse...

Do talking heads eu AMO Wild wild life and Road to Nowhere...